domingo, setembro 02, 2012

O perigo da indecisão



Disseram a Osho:
Estou apaixonada por outro homem, no Canadá, e estou num conflito porque também me sinto muito apaixonada pelo meu marido.

Isso simplesmente quer dizer que você ainda quer que algum tipo de conflito e discórdia continue.

Isso pode não ser amor por outro homem; isso pode ser apenas amor pelo conflito. Amamos os conflitos porque, com eles, nos sentimos poderosos.

Quando tudo está indo bem, a gente sente como se nada estivesse acontecendo. A gente sente como se a vida fosse vazia. Se a vida está realmente harmoniosa, nos sentimos vazios...nenhuma excitação, nenhum pontapé, nenhuma emoção.

Assim, as pessoas dizem que elas gostariam de uma vida bem pacífica, mas ninguém realmente deseja isso - do contrário, ninguém está criando qualquer barreira. Assim elas prosseguem falando sobre isso e continuam buscando por uma vida pacífica – e continuam criando perturbações.

De fato, essa divisão mostra algo dividido em você. Quando alguém ama duas pessoas, isso simplesmente mostra que em algum lugar existe uma divisão interior, você não é uma. Daí a insistência que se você puder amar um isso irá ajudar, porque isso lhe tornará uma.

Se você não puder amar seu marido totalmente, deixe-o. 



 Então escolha. A decisão é boa porque lhe torna decidida. Não se demore porque isso também é uma decisão... uma decisão de permanecer indecisa. Escolha.

A vida é uma decisão contínua de momento a momento. Você não pode ir por todos os caminhos. Se você quer vir à Índia, você tem que deixar o Canadá. Se você quer viver no Canadá, você precisa deixar a Índia. Você não pode viver em todos os lugares. Não podemos nos espalhar por toda a terra. Iremos perder nosso ser totalmente. Temos que permanecer centrados.

Portanto, não somente com o amor, em relação a tudo: seja decisiva. Eu sei, eu compreendo que isso é duro. Às vezes é somente meio a meio. Parece difícil decidir, mas mesmo assim a gente precisa decidir.

Permanecer numa indecisão por muito tempo é muito perigoso. Isso lhe dá uma qualidade de ser indeciso.


 E se a pessoa aprende esse truque, então a pessoa desperdiça toda sua vida. Então nas pequenas coisas a pessoa começa a ficar indecisa também. A pessoa retarda, retarda... hesita. E também se houver muito retardamento e hesitação, será muito difícil dar o salto final para Deus, para o divino.

O amor é um aprendizado... a primeira lição da religião. Ele lhe ajuda a decidir. E se você puder decidir, na própria decisão algo dentro de você se cristaliza. Você verá isso. Se não você irá ficar bifurcada, você se tornará uma esquizofrênico: uma parte indo nessa direção e outra parte indo naquela direção. Uma casa dividida está sempre em perigo. Pode cair a qualquer momento.

Então você decide. Não digo para você decidir pelo seu marido – não estou dizendo isso – mas decida. Se você realmente quer ser feliz, seja decisiva. É preciso coragem para decidir, quase a coragem de um jogador, mas a vida é assim, mm?

 Nada é barato na vida, pelo menos não o amor. Ele exige. E essa é a beleza dele – que ele exige. Essa própria exigência lhe dá uma sintonia, um espírito... integridade, individualidade.

Osho, em "Be Realistic: Plan for a Miracle"
Fonte: Osho.com

 

4 comentários:

  1. Oi, Lorena, bom dia!!
    Estar indecisa entre o marido e o outro é um quadro de inúmeras matizes, depende de tanta coisa, de tantos momentos, de tantas vivências... Há um longo tempo até compreender-se essa indecisão. A única certeza é que não há amor simultâneo pelos dois. Há probabilidade de que não haja por nenhum. Certa vez, eu provoquei um abalo numa pessoa indecisa e ela correu para o lado que mais caro lhe era. De repente, ficamos rindo e ela disse: “não precisa dizer mais nada...” Desde então eu chamo o método de “teoria do abalo”... rs
    Um beijo carinhoso
    Doces sonhos
    Lello

    ResponderExcluir
  2. Oi Lello, confesso que fiquei bem curiosa com a tal 'teoria do abalo'!!!!! Em relaçao ao seu comentario, concordo quando vc diz que o amor já não é mais simultaneo nessas situaçoes, pois ninguem entra no coraçao do outro se esta nao estiver disponivel... resumindo se ela se apaixonou é pq nao estava mais completa com o outro, assim eu acho... quem vai saber...?
    beijos no coraçao!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3/9/12

    Boa tarde! essa é uma história que acontece muito mais do que se pensa. A minha mesmo tem muito haver, me casei sabendo que estava em duvida, e com 7 meses de casamento tive certeza que nao queria estar com ela, mas aí ela ja estava gravida. Só consegui me separar depois de 15 anos. e tres filhos com ela. imagine como vivi todo esse tempo? me apaixonando para fugir um pouco da minha escolha.
    obrigado pelo espaço.
    um abraço a todos

    ResponderExcluir
  4. Oi, Lorena, boa noite!!
    A tal teoria do abalo, tem sua inspiração registrada no livro bíblico chamado "Reis", capítulo 3, versos 16 a 28, numa consulta em grupo realizada por um sábio chamado Salomão. Passei a chamar "ponto de abalo" àquela situação/condição a que um ser humano chega quando diante de uma possibilidade que lhe é absolutamente traumática e absurda, inconcebível. A lei essencial se constitui destas premissas, salvo exceção ainda não identificada: 1. todo ser humano tem um "ponto de abalo" mais profundo e abrangente; 2. todo ser humano se movimenta mais decididamente quando sofre abalos, especialmente quando algum se dá no ponto mais crítico; 3. o ponto de abalo absoluto destroi qualquer resistência, qualquer concorrência (mesmo de outro abalo!), qualquer fator moral, enfim, qualquer outro fator que o enfrente.
    Um beijo carinhoso
    Doces sonhos
    Lello

    ResponderExcluir

Fico muito feliz de você estar aqui, quando você comenta me deixa ainda mais....

Deixa acontecer

As coisas acontecem quando você menos espera, as coisas acontecem quando você não as força, as coisas acontecem quando você não está an...