quinta-feira, setembro 13, 2012

Você sabe o momento de partir?


"Penso em me separar  da minha mulher, mas não quero magoá-la o que devo fazer, pois não sinto mais o mesmo de antes, não quero que ela sofra.."
 
Recebi este email e o leitor pediu para divulgar.

O que tenho a dizer sobre isso?


Ninguém acorda pela manhã com a descoberta de que deseja se separar.
Isso é um processo, vamos nos percebendo aos poucos. Quem passa por essa experiência se submete a um recolhimento reflexivo aflitivo porque muitas vezes não consegue aceitar facilmente a realidade de seus sentimentos.
E até que perceba a impossibilidade da continuidade da convivência, vai-se vivendo o luto da perda de um amor, dos planos, dos projetos em comum.

Quem deixou de amar também perdeu um amor e passa um longo tempo muitas vezes se culpando, antevendo a dor de seu parceiro, desejando evitar que ele se magoe.
E muitas vezes, na tentativa de negar que os sentimentos apenas se esvaíram, na crença de que é preciso haver um motivo mais contundente para a separação, que não basta que o amor e o desejo tenham se esgotado, cometem-se equívocos.

Vilão e vítima


Comete-se o engano de acreditar que quem saiu da relação "está numa boa". Este é visto como o vilão da história, aquele que provoca o sofrimento. Mas não é bem assim que acontece...


Numa relação, que começou com a intenção de que fosse o mais duradoura possível, é claro que ambos caminham na direção de solidificar o casal. Espera-se que o amor seja para todo o sempre e por mais que se fique atento à evolução do relacionamento, o amor, o tesão, o interesse por perpetuar o vínculo pode acabar de um dos lados. Às vezes acontece de ambos irem perdendo o interesse gradualmente e quase ao mesmo tempo. Mas tenho visto muitos casos onde esse desinteresse é unilateral.
 


É um engano acreditar que quem deseja se separar "está numa boa". A diferença entre que sai e quem fica é que quem sai vive o luto antes da efetivação da separação."A diferença entre que sai e quem fica é que quem sai vive o luto antes da efetivação da separação."
E acrescente-se aí toda a coragem necessária para comunicar ao parceiro e administrar com equilíbrio os desdobramentos dessa decisão.

Cada qual à sua forma e nos seu tempo, vive a dor da perda, e passado o primeiro impacto é sempre bom ter consigo que nas relações de afeto não existe certificado de garantia e muito menos prazo de validade.


Este último trecho é da Psicoterapeuta Celia Lima

2 comentários:

  1. Anônimo13/9/12

    Boa noite Lorena, há muito não passava por aqui.. e por coincidência ou não, encontrei este texto que me fez pensar muito na minha vida.
    Se o leitor queria uma opinião, digo que levamos as vezes tanto tempo só adiando uma situação na qual já sabemos o final. E ficamos cristalizados arrumando desculpas p nos acovadarmos diante de nossa responsabilidade de crescer e deixar o outro crescer também.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Anônimo14/9/12

    Sinceramente??? Dificilmente sei a hora de partir, deixo p o outro a responsabilidade da partida...

    ResponderExcluir

Fico muito feliz de você estar aqui, quando você comenta me deixa ainda mais....

Constelações Familiares e o poder do AGORA

créditos de imagem para sandragamero.com Se você ainda não conhece a prática das constelações familiares esta é uma excelente oportuni...