Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

Você Tem Fome de Quê?

Comemos quando sentimos fome e também quando sentimos raiva, frustração e rejeição. Para compensar algo ou aplacar uma angústia que nos corrói por dentro, quando estamos ansiosos e também, alegres. Tudo isso pode indicar uma confusão com nossas reais necessidades. Comer acaba se transformando na saída para compensar algo. Quando se transforma em compulsão, isto é, quando comemos muito, mesmo sem sentir fome – entenda por compulsão a incapacidade de dominar um determinado impulso – é um tipo de comportamento genuinamente imaturo, alguém que não consegue lidar com a frustração e sempre busca compensação imediata. Quando a compulsão alimentar vira obesidade, ou quando começa a incomodar a imagem corporal, a comida torna-se compensação dos problemas que não estão conscientes e acaba por se transformar em um círculo vicioso, subestimando a ingestão alimentar. Quanto mais pensamos em emagrecer, mais pensamos em comida, sinal de que a fome é outra, de outro tipo de alimento. Pois quem determina …

A Lenda das Areias

Vindo desde as suas origens em distantes montanhas, após passar por inúmeros acidentes de terreno nas regiões campestres, um rio finalmente alcançou as areias do deserto. E do mesmo modo como vencera as outras barreiras, o rio tentou atravessar esta de agora, mas se deu conta de que suas águas mal tocavam a areia nela desapareciam.
Estava convicto, no entanto, de que fazia parte de seu destino cruzar aquele deserto, embora não visse como fazê-lo. Então uma voz misteriosa, saída do próprio deserto arenoso, sussurou:
- O vento cruza o deserto, o mesmo pode fazer o rio.
O rio objetou estar se arremessando contra as areias, sendo assim absorvido, enquanto o vento podia voar, conseguindo dessa maneira atravessar o deserto.
- Arrojando-se com violência como vem fazendo não conseguirá cruzá-lo. Assim desaparecerá ou se transformará num pântano. Deve permitir que o vento o conduza a seu destino.
- Mas como isso pode acontecer?
- Consentindo em ser absorvido pelo vento.
Tal sugestão não era aceitáve…

O Mito da Princesa - Parte 2

O que a princesa Kate tem de semelhança com a princesa Diana? Asseguro a vocês que, por enquanto, somente o inconsciente coletivo das pessoas mobilizado para que alguém a substitua. No mês em que Bin Laden foi, supostamente assassinado, as pessoas sentem cada vez mais a necessidade de comparações, na esperança de encontrarem princesas em pleno século XXI. Mas para surpresa de alguns, o mito da princesa está vivo, sinal que ainda exite certa carência do lúdico em nossas vidas.
A “Princesa do Povo” se tornou um mito após a sua trágica morte, em 31 de agosto de 1997, no túnel da Ponte de l’Alma, em Paris.
 Os mitos nascem assim, e mobilizam em nós vários conteúdos internos construídos pela nossa cultura.
Diana inspira algo frágil, encantador, sedutor e manipulador em sua imensa vontade de agradar a todos. Quando muito jovem se casou com o gélido, distante, mas para ela, desejável Charles.
Seus traços mais aparentes são a vulnerabilidade, carência e o uso da sedução na busca de ser amada.
Em s…

Simbologia dos pés

Para Freud, o pé teria um significado fálico e o sapato seria um símbolo feminino. Cabe ao pé adaptar-se ao sapato. Existe até um provérbio que diz: "é preciso encontrar um sapato para o seu pé"
Nesta perspectiva, o pé é um símbolo erótico tanto nos povos primitivos quanto nos civilizados, sendo por vezes considerado um fetiche sexual. Não é atoa que é costume das mulheres enfeitarem tornozelos com jóias.

Não podemos deixar de lembrar do conto da Cinderela, que perde um de seus sapatinhos no baile real. O príncipe, que no baile se apaixonara por ela, vai procurar a dona do sapatinho.
Este mesmo tipo de conto pode ser encontrado nas tradições do Egito antigo. Como por exemplo, a estória da cortesã que teve suas sandálias roubadas por uma águia enquanto tomava banho. A águia levou as sandálias ao faraó, que admirado com o refinamento das mesmas e imaginando os pés que as calçavam, procurou esta moça em todos os lugares do reino e, encontrando-a, desposou-a.
Este mito encontra-se f…

Ser mãe

Quando estava ainda no primeiro ano de faculdade, li sobre a experiência feira com passarinhos pelo famoso etólogo austríaco Konrad Lorenz, cujos detalhes hoje me escapam, mas cujo sentido básico é muito interessante.
Lorenz observou que um filhote de passarinho, ao quebrar a casca do ovo, considera mãe o primeiro objeto que se mexe ao seu lado.
Ele então experimentou tornar-se mãe de alguns filhotes. Mal ele se aproximava, os passarinhos abriam o bico para serem alimentados.
Um dia ele teve que se afastar repentinamente e, ao voltar, imaginou encontrar os passarinhos mortos de fome. Para sua surpresa, os filhotes estavam se virando muito bem - sozinhos!
Lorenz repetiu a experiência de vários modos e chegou a algumas conclusões.
Se a mãe não se afasta nunca - imagine uma mãe mecânica sempre ali, disponível - os filhotes nunca aprendem a comer sozinhos e, na idade adulta, separados  da mãe, morrem de fome. A separação, portanto é essencial para o amadurecimento. Só que há um tempo adequad…

Ser mãe para ser feliz ou ser feliz para ser mãe?

No ciclo vital da mulher há três períodos críticos: a adolescência, a gravidez e o climatério, são períodos de transição que constituem fases do desenvolvimento da personalidade e que possuem vários pontos em comum (Diniz, 1999). São fases biologicamente determinadas, caracterizadas por mudanças metabólicas e hormonais complexas; por reajustamentos interpessoais e intrapsíquicos, mas também por alterações interpessoais e interpsíquicas. Tantas mudanças podem resultar em estados temporários de desequilíbrio, e em significativas alterações na identidade da mulher devido às grandes expectativas quanto ao papel social esperado (Maldonado, Dickstein, & Nahoum, 2000). Desde a infância as meninas treinam o papel de boa mãe, onde a mulher deve ser capaz de enormes sacrifícios, entre eles ser amável, tranqüila, compreensiva, terna, equilibrada, acolhedora, feminina em tempo integral! Espera-se um ideal, um modelo de mãe perfeita, uma imagem romanceada da maternidade construída ao longo dos…