Pular para o conteúdo principal

Amor simbiótico






 Bert Hellinger descreve em sua teoria sobre constelações familiares, que o relacionamento de um casal é a vida em pleno desenvolvimento. Isto é, quando um casal se relaciona é como dar corda para o relógio da vida.
A consumação do amor tem um profundo efeito na alma. Através dela o homem e a mulher se viculam de forma indissolúvel.
Mas existem alguns aspectos que acabam se tornando doentios e com o tempo podem adoecer a relação de um casal.
Por exemplo: um casal simbiótico, unidos pelo sonho de união total entre os parceiros. Próprio daqueles que têm medo de se responsabilizar pela prórpia vida, de andar com as próprias pernas. De quem busca um colo, um esconderijo do seu medo da vida.
 A psicoterapeuta Maria de Melo ressalta em seus escritos que quem não confia em si tem pânico de ser abandonado.
Quem não tem pernas para se mover por conta própria é que tenta mobilizar o companheiro para garantir sua presença e passa a alimentar sentimentos de medo, raiva, inveja.
Por vezes o companheiro deseja se afastar a uma distância segura de seu parceiro apenas para procurar seu caminho, mas quem é inseguro ao extremo interpreta qualquer afastamento como abandono.
Uma relação simbiótica não oferece condições para que floresçam sentimentos bons como ternura, amor, companheirismo. Ela serve, ao contrário, para propiciar um ninho de ressentimentos, mágoas, inveja.

Conheço situações em que o casal deseja dominar os passos do outro de tal forma, que trocam seus telefones celulares para checarem as pessoas que ligam para o cônjuge.
É uma relação de muita cobrança, onde um não tem direito a nada fora do outro. A obrigação predomina! A obrigação de amar, de satisfazer.
O medo da infidelidade é o medo mascarado do abandono. É a máscara da falta de amor próprio.
É mais fácil ficar esperando que o outro nos ame, nos entenda, nos satisfaça, do que saber de nossas falhas, encarar nossos medos e nossa incapacidade de amar.

Difícil é encarar que viver como adulto significa ser o único responsável por aquilo que faz na vida. Culpar os outros é ficar esperando, na impotência, que façam algo, que mudem, que se transformem para nos atender - coisa que só dá certo com criança pequena.
Quando adultos, nossas transformações dependem unicamente de nós.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Constelações Familiares e o poder do AGORA

Se você ainda não conhece a prática das constelações familiares esta é uma excelente oportunidade para que você seja conduzido através desta ferramenta fantástica de autoconhecimento.
Ela atua a partir das nossas histórias e mitos familiares. Ajudando-nos a perceber mais claramente QUEM SOU EU e PORQUE ESTAMOS VIVENDO DE UMA FORMA QUE NÃO GOSTAMOS e até mesmo POR QUE TENHO UM SINTOMA QUE NÃO COMPREENDO ou POR QUE TENHO UM PADRÃO DE COMPORTAMENTO que não gostaria de ter.
As Constelações  Familiares são uma ferramenta poderosa para limpar nosso corpo emocional. Liberam a energia psíquica vinculada a traumas do passado, facilitando nosso processo de vivenciar o poder do AGORA.
A constelação atua sobre nós a partir de imagens que são captadas e processadas pelo nosso cérebro. Quando o facilitador configura uma constelação utilizando representantes para cada pessoa ou elemento relacionado com o assunto de que se trata, cria-se uma imagem do conflito e da origem do mesmo, seja ele sistêmico o…

O que é o caráter oral?

Quando a cofiança não é adequadamente suprida na infância há uma fixação no caráter oral, assim expressa a bioenergética de Lowen.
Mas o que significa a pessoa de caráter oral?

São pessoas que vão em frente, mas sentem um buraco enorme, acompanhado de uma forte sensação de privação.
De forma inconsciente se recusam a crescer, pois ficam esperando o tinham direito de receber na infância e não receberam. O mundo todo deve algo a ela.

São pessoas que esperam muito que alguém supra suas necessidades de ser feliz, ou que através da compulsão tentam tampar o buraco afetivo.

Dessa forma, acham que deveriam ter um emprego e não que deveriam buscar um emprego.
Tudo deve vir até ela porque ela tem o direito de ser cuidada.

Idealiza a mãe perfeita!
É um indivíduo crítico, exigente, muitas vezes apresetna um caráter opositor.

Não consegue construir (um bebê não precisa construir)
O adulto precisa realizar, mostrar.
É difícil para este tipo de adulto entrar em contato com sua falha básica, pois tem um burac…

Simbologia dos pés

Para Freud, o pé teria um significado fálico e o sapato seria um símbolo feminino. Cabe ao pé adaptar-se ao sapato. Existe até um provérbio que diz: "é preciso encontrar um sapato para o seu pé"
Nesta perspectiva, o pé é um símbolo erótico tanto nos povos primitivos quanto nos civilizados, sendo por vezes considerado um fetiche sexual. Não é atoa que é costume das mulheres enfeitarem tornozelos com jóias.

Não podemos deixar de lembrar do conto da Cinderela, que perde um de seus sapatinhos no baile real. O príncipe, que no baile se apaixonara por ela, vai procurar a dona do sapatinho.
Este mesmo tipo de conto pode ser encontrado nas tradições do Egito antigo. Como por exemplo, a estória da cortesã que teve suas sandálias roubadas por uma águia enquanto tomava banho. A águia levou as sandálias ao faraó, que admirado com o refinamento das mesmas e imaginando os pés que as calçavam, procurou esta moça em todos os lugares do reino e, encontrando-a, desposou-a.
Este mito encontra-se f…