Pular para o conteúdo principal

O Prazer de resolver problemas

Seguir ordens é um processo penoso, pois, na maioria das vezes, representa negar nossas necessidades pessoais. Abrir mão do desejo natural de explorar o desconhecido e saber aguardar o momento justo para agir é um desafio constante que teremos que adquirir ao longo de toda nossa vida.
Quando as crianças observam os adultos tendo prazer em resolver problemas, aprendem e experimentam o mesmo prazer ao tentar resolver seus próprios problemas. Se tivermos crescido num ambiente seguro e que, ao mesmo tempo, nos encorajou para seguirmos adiante com nossas iniciativas e riscos pessoais, quando adultos seremos autônomos e, ao mesmo tempo, respeitaremos nossas necessidades naturais de dependência e proteção. Mas, se tivermos sido constantemente desencorajados a explorar o mundo à nossa volta, vamos crescer crendo que somos incapazes e que agir não leva a nada. A dor de ter nossas emoções e necessidades ignoradas ou distorcidas gera uma sensação profunda de inadequação.

Aos cinco anos de idade, já desenvolvemos uma noção clara do que podemos ou não fazer. Deixamos de agir erroneamente mesmo quando estamos a sós. Se nossos pais foram extremamente controladores, teremos facilmente a sensação de culpa e vergonha quando agirmos por conta própria, à revelia de seus comandos.

Quando crescemos, este sentimento já estará tão arraigado em nós que nem sabemos mais porque o sentimos. A questão é que quando ele se torna demasiado, perdemos tanto o desejo como o prazer de exercitar a nossa própria vontade!

Para superar esse bloqueio criativo, temos que cultivar uma nova postura interior, na qual nos vemos como criadores de nosso próprio curso de vida. Desta forma, será prazeroso nos estimularmos a assumir tanto os riscos como as suas consequências.

Para recuperar a alegria de conquistar uma nova habilidade, temos que nos conscientizar, repetidas vezes, de que não somos mais reféns do controle externo como fomos um dia.
Quando nos sintonizamos com a autorresponsabilidade e o autodomínio, somos capazes de aprender a ver os problemas não como problemas, mas como oportunidades de crescimento interior.

Lama Zopa, em seu livro Transformando problemas em felicidade (Ed. Mauad) nos esclarece que precisamos ter constantemente duas atitudes internas: 1. cultivar uma mente que não tem aversão aos problemas e 2. gerar uma mente que sente prazer em resolvê-los.

Para tanto, temos que evitar exageros. Encarar os grandes problemas passo a passo é uma forma de sermos gentis com nossos limites e incertezas. Intuitivamente, sabemos que não adianta ficarmos inquietos, com raiva ou deprimidos.

Lama Gangchen nos aconselha a substituirmos a palavra problemas por pequenas dificuldades.

Na realidade, gostamos de arranjar pequenos problemas para resolver! Pois a sensação de controlá-los mantém nosso cérebro saudável e equilibrado. Enquanto uma área do cérebro registra a chance de erro e aciona outra área que nos deixa acordados e atentos, outra área analisa a situação e traça estratégias que, por sua vez, ativa o sistema de recompensa, deixando-nos motivados e animados com o desafio.

Na medida em que resgatamos o prazer de solucionar problemas, recuperamos o prazer de viver. Afinal, problemas existem e sempre existirão!


Texto de Bel Cesar




Postagens mais visitadas deste blog

Constelações Familiares e o poder do AGORA

Se você ainda não conhece a prática das constelações familiares esta é uma excelente oportunidade para que você seja conduzido através desta ferramenta fantástica de autoconhecimento.
Ela atua a partir das nossas histórias e mitos familiares. Ajudando-nos a perceber mais claramente QUEM SOU EU e PORQUE ESTAMOS VIVENDO DE UMA FORMA QUE NÃO GOSTAMOS e até mesmo POR QUE TENHO UM SINTOMA QUE NÃO COMPREENDO ou POR QUE TENHO UM PADRÃO DE COMPORTAMENTO que não gostaria de ter.
As Constelações  Familiares são uma ferramenta poderosa para limpar nosso corpo emocional. Liberam a energia psíquica vinculada a traumas do passado, facilitando nosso processo de vivenciar o poder do AGORA.
A constelação atua sobre nós a partir de imagens que são captadas e processadas pelo nosso cérebro. Quando o facilitador configura uma constelação utilizando representantes para cada pessoa ou elemento relacionado com o assunto de que se trata, cria-se uma imagem do conflito e da origem do mesmo, seja ele sistêmico o…

O que é o caráter oral?

Quando a cofiança não é adequadamente suprida na infância há uma fixação no caráter oral, assim expressa a bioenergética de Lowen.
Mas o que significa a pessoa de caráter oral?

São pessoas que vão em frente, mas sentem um buraco enorme, acompanhado de uma forte sensação de privação.
De forma inconsciente se recusam a crescer, pois ficam esperando o tinham direito de receber na infância e não receberam. O mundo todo deve algo a ela.

São pessoas que esperam muito que alguém supra suas necessidades de ser feliz, ou que através da compulsão tentam tampar o buraco afetivo.

Dessa forma, acham que deveriam ter um emprego e não que deveriam buscar um emprego.
Tudo deve vir até ela porque ela tem o direito de ser cuidada.

Idealiza a mãe perfeita!
É um indivíduo crítico, exigente, muitas vezes apresetna um caráter opositor.

Não consegue construir (um bebê não precisa construir)
O adulto precisa realizar, mostrar.
É difícil para este tipo de adulto entrar em contato com sua falha básica, pois tem um burac…

Simbologia dos pés

Para Freud, o pé teria um significado fálico e o sapato seria um símbolo feminino. Cabe ao pé adaptar-se ao sapato. Existe até um provérbio que diz: "é preciso encontrar um sapato para o seu pé"
Nesta perspectiva, o pé é um símbolo erótico tanto nos povos primitivos quanto nos civilizados, sendo por vezes considerado um fetiche sexual. Não é atoa que é costume das mulheres enfeitarem tornozelos com jóias.

Não podemos deixar de lembrar do conto da Cinderela, que perde um de seus sapatinhos no baile real. O príncipe, que no baile se apaixonara por ela, vai procurar a dona do sapatinho.
Este mesmo tipo de conto pode ser encontrado nas tradições do Egito antigo. Como por exemplo, a estória da cortesã que teve suas sandálias roubadas por uma águia enquanto tomava banho. A águia levou as sandálias ao faraó, que admirado com o refinamento das mesmas e imaginando os pés que as calçavam, procurou esta moça em todos os lugares do reino e, encontrando-a, desposou-a.
Este mito encontra-se f…